Rainha da Suécia «Falo português quando estou feliz»

«O PORTUGUÊS É A LÍNGUA DO CORAÇÃO»

No Palácio Real da Suécia também se fala português.

A soberana da Suécia adora comida brasileira, especialmente feijoada, farofa e vatapá, e carrega boas lembranças da infância em terras paulistanas.

Não se incomoda que a tratem por tu. Continua a falar português, um dos seis idiomas que domina fluentemente e quase sem sotaque.

Simples e sempre com um sorriso nos lábios, Sílvia não veste o manto da personagem de um conto-de-fadas moderno.

Conheceu o Rei Carl Gustav quando trabalhava como intérprete nas Olimpíadas de Munique, em 1972. Foi amor à primeira vista, mas faz questão de dizer que a vida de Rainha não é nada fácil. 

É o que conta na entrevista à Gente, concedida durante o trajecto que a levou da capital Paulista até São Vicente, onde visitou um segundo projecto apoiado pela sua fundação.

Publicamos um pequeno excerto dessa entrevista:

Como é que a senhora consegue manter um português tão bom e fluente?

Desde que a minha mãe morreu não tenho tanta possibilidade de falar português, mas continuo a falar com os meus três irmãos. Falamos sempre por telefone e na maioria das vezes comunicamos em português. 

É a língua que falamos quando nos sentimos bem, quando estamos felizes. Quando temos algum problema, falamos em alemão. O português tem algo especial, é a língua do coração.

(…)

Sou espontânea. Os suecos são muito disciplinados. Também são um povo caloroso, mas com os amigos, na intimidade. Não gostam de exteriorizar isso. Eu tenho facilidade de falar com as pessoas, de estar com as pessoas, mesmo com a barreira do protocolo.

A Rainha come feijoada?

Foi a primeira coisa que desejei comer, assim que aqui cheguei. Comi uma deliciosa feijoada com farofa, gosto muito de uma farofinha, é obrigatório. Também faço de vez em quando no palácio. O meu marido gosta muito de vatapá, aprendi a fazer com a minha mãe, é uma delícia.

Eliane Trindade, Revista Gente 2003 Brasil. Adaptação: Portugal Glorioso

Adenda: Rainha da Suécia voltou a falar português em visita à ilha da Madeira. Objectivo da terceira visita a Portugal da Rainha Sílvia, prendeu-se com o apoio que dá a uma instituição de solidariedade. Mas teve oportunidade de falar português, língua que aprendeu quando viveu em jovem no Brasil. (TVI | 2017)

Ascendência Real: O seu avô materno era Artur Floriano de Toledo (1873-1935), um descendente do rei Afonso III de Portugal e sua concubina Maria Peres de Enxara. Artur era o bisneto de Antónia de Almeida de Aguiar, uma descendente de umas famílias de fidalgos estabelecidas em São Paulo, durante o período colonial Português, entre eles a família Alvarenga de Lamego, Portugal. Também é de muito distante ascendência ameríndia brasileira. Um de seus antepassados era o chefe indígena Tibiriçá de Piratininga. (Wikipedia)

Pedida em Braga a “devolução da nacionalidade portuguesa aos ex-militares guineenses”

A Associação Portuguesa dos Autarcas Monárquicos (APAM) e a Associação dos Ex–Combatentes Deficientes das Forças Armadas Portuguesas na Guiné-Bissau (DECOFARP-GB), assinaram, dia 22, em Bissau, um protocolo de cooperação com o fim de exigirem à República Portuguesa “a devolução da nacionalidade portuguesa aos ex-militares guineenses, e concessão da mesma aos seus descendentes”.

No documento, assinado por Manuel Beninger da APAM – com sede em Braga – e Amadu Djau, da DECOFARP-GB, exige-se, ainda, “o pagamento da pensão de reforma, de sangue e de invalidez e o acesso ao tratamento médico aos ex-combatentes e seus familiares em Portugal”.

Os dois organismos pedem, também, ao Estado português “o cumprimento do Acordo de Argel de agosto de 1974, assinado entre Portugal e o Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), que permitiu que Portugal reconhecesse a Guiné-Bissau como Estado independente e que previa o pagamento de pensões de invalidez, de sangue e a reforma aos seus ex-militares”.

O terceiro ponto do acordo, pede “a contagem do tempo de serviço destes cidadãos portugueses nascidos em território da Guiné portuguesa e que estiveram ao serviço do exército nacional”, e que Portugal “providencie a recolha dos restos mortais dos ex-Comandos Africanos, uma força de elite do então exército colonial, formado essencialmente por guineenses, assassinados pelas novas autoridades da República da Guiné-Bissau, a partir de 1974”.

Para homenagear e honrar a memória dos soldados portugueses tombados na guerra no território guineense, – prossegue o protocolo – “ambas as associações se comprometem a mandar cunhar uma Medalha de Honra ao Mérito Militar”.

A concluir, dizem que “é imperioso que Portugal dignifique todos os portugueses nascidos na Guiné Portuguesa que lutaram do lado de Portugal”.

O documento é antecedido por vários considerandos, um dos quais lembra que “a Assembleia da República portuguesa recomendou no dia 15 de janeiro de 2021, pela segunda vez, que o Governo estude formas de compensação para antigos militares recrutados nas ex-colónias portuguesas sem registos de carreira contributiva, que vivem atualmente fora do país”.

Fonte : https://ominho.pt/pedida-em-braga-a-devolucao-da-nacionalidade-portuguesa-aos-ex-militares-guineenses/amp/

POR UMA VERDADEIRA DEMOCRACIA

A nova revolução está próxima.

Como quem quer atirar areia para os olhos dos portugueses, pretendem comemorar hoje, dia 25 de Abril, o Dia da Liberdade. Infelizmente assim não o é.

Em democracia, a natureza e a arquitectura do Estado deve ser referendável. Em Portugal não é! A nossa República, com o seu artigo impositivo 288, alínea b) da Constituição, não permite que o povo português possa ser livremente consultado a respeito do sistema político que prefere. Não parece democrático. E de facto não é!

Trata-se sem dúvida de uma grave ofensa à dignidade do povo português, cujas opções ficaram assim condicionadas arbitrariamente pela vontade de um efémero grupo de indivíduos, expressa num fugaz e perturbado momento da nossa história.

E tudo isto em defesa de um regime – o republicano – que, sem prévia nem posterior consulta aos portugueses, foi imposto pela força das armas.

A pergunta que se coloca é por que razão um regime que colocou este país à beira da bancarrota não se deixa referendar? Que democracia pode existir num sistema político se eterniza através de normas constitucionais que, para se manterem, necessitam do apoio de apenas um terço dos deputados.

O Povo português exige o direito a poder escolher. Exige liberdade e democracia. Monarquia ou República.

Por um Abril verdadeiramente democrático.

MONÁRQUICOS ELEITOS PARA O PARLAMENTO PORTUGUÊS

d75dbb9f-fdbc-4a39-ba16-8fb944244a6f

MONÁRQUICOS ELEITOS PARA O PARLAMENTO PORTUGUÊS

A APAM – Associação Portuguesa dos Autarcas Monárquicos regozija-se pela eleição do seu Presidente da Assembleia Geral Dr. Eduardo Teixeira, pelo círculo eleitoral de Viana do Castelo, e do Conselheiro da APAM Dr. Miguel Albuquerque, pelo circulo eleitoral da Madeira, para o Parlamento Português.

Apesar da absurda abstenção nestas Eleições Legislativas 2019, os últimos resultados eleitorais em Portugal demonstram, mais uma vez, a vontade inequívoca do povo português em eleger políticos portugueses de inspiração monárquica numa vertente multipartidária como aconteceu recentemente com a eleição, na Madeira, do Conselheiro Honorário da APAM Dr. Miguel Albuquerque, futuro presidente do Governo Regional da Madeira, e no Porto, com a reeleição do Dr. Rui Moreira para a presidência da Câmara Municipal da cidade invicta.

Julgamos ser cada vez mais oportuno dar o segundo passo na democracia portuguesa tornando a Constituição desta República mais livre e democrática com a revogação do artigo 288 alínea b) onde eterniza ad perpétuam a forma republicana de governo.

Viva o Rei !

AUTARCAS MONÁRQUICOS ENTREGAM “MEDALHA DE HONRA” A MIGUEL ALBUQUERQUE, PRESIDENTE DA MADEIRA

152433202269168

A APAM- Associação Portuguesa dos Autarcas Monárquicos, de Braga, distinguiu o presidente do Governo Regional da Madeira Miguel Albuquerque com a Medalha de Honra, a mais alta condecoração da instituição.

A condecoração, que foi entregue pessoalmente pelo presidente da APAM Manuel Beninger, teve em conta os altos serviços prestados ao país, e, em especial, ao labor que tem desenvolvido em prol da autonomia e do desenvolvimento da região autónoma da Madeira. Miguel Albuquerque é conhecido pela sua simpatia para com a causa monárquica.

A Medalha de Honra havia já sido entregue a D. Duarte Duque de Bragança, Chefe da Casa Real de Portugal, a Mário Vaz, Presidente da República da Guiné-Bissau, e a D. Luís de Orleães e Bragança, Chefe da Casa Imperial do Brasil, entre outras individualidades …

A Associação Portuguesa dos Autarcas Monárquicos é uma associação que reúne autarcas eleitos de inspiração monárquica numa vertente multipartidária.

Segundo Beninger, “a APAM tem como objectivos principais os da criação de laços de cooperação entre os municípios onde participamos em especial no âmbito da ecologia, história, cultura, acção social, empreendedorismo e turismo, bem como na capacitação dos autarcas e na defesa de uma democracia plena.”

A Associação prima pela transversalidade em termos políticos, sendo a única em Portugal com este cariz, o de albergar no seu seio membros de vários partidos.

WhatsApp Image 2018-04-23 at 14.19.55Fonte:

Diário de Notícias da Madeira: http://www.dnoticias.pt/madeira/autarcas-monarquicos-entregam-medalha-de-honra-a-miguel-albuquerque-LD3050926#

Jornal Económico: http://www.jornaleconomico.sapo.pt/noticias/albuquerque-recebe-medalha-de-honra-da-associacao-de-autarcas-monarquicos-297245

JM-Madeira: https://www.jm-madeira.pt/regiao/ver/31577/Associacao_de_Braga_distingue_Miguel_Alburquerque_com_a_Medalha_de_Honra_

Funchal Notícias: https://funchalnoticias.net/2018/04/22/autarcas-monarquicos-entregam-medalha-de-honra-a-miguel-albuquerquer/

Net Madeira: http://www.netmadeira.com/noticias/politica/artigo/250782-autarcas-monrquicos-entregam-medalha-de-honra-a-miguel-albuquerquer

Press Minho: http://www.pressminho.pt/autarcas-monarquicos-entregaram-medalha-de-honra-a-miguel-albuquerque-presidente-da-madeira/

Vilaverdense: http://www.ovilaverdense.com/noticia.php?n=23257

APAM HOMENAGEOU O PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE OVAR, PROF. DOUTOR SALVADOR MALHEIRO

CM Ovar (2)

A Associação Portuguesa de Autarcas de inspiração Monárquica entregou ao presidente da Câmara de Ovar o Diploma de Conselheiro Honorário da APAM. Sublinha as boas relações com o atual presidente da CM Ovar e também presidente da Distrital do PSD de Aveiro.

Esta reunião, a pedido da APAM, foi o pretexto para uma apresentação formal de cumprimentos e apresentação da estrutura e seus objetivos para 2016 bem como expor algumas das questões que preocupam a associação que, com pouco mais de um ano de vida, já congrega mais de quatro centenas de associados, num espírito de cooperação entre eleitos locais e de procura de soluções comuns para os desejos das populações.

Nesta reunião entre o autarca vareiro e o Presidente da APAM, Manuel Beninger, discutiram-se formas de participação ativa de Ovar com outros municípios e estruturas que buscam os mesmos desígnios.

Fonte:

http://www.terranova.pt/noticia/politica/associacao-de-autarcas-de-inspiracao-monarquica-reuniu-com-autarca-de-ovar